Home > Performance > Create Index não é Tuning II

Create Index não é Tuning II

Esse post é dedicado a um grande amigo que me ensinou muito sobre Tuning e Performance um dos melhores DBAs que conheci, Sergio Bonsague.

Esse artigo é continuação do último post lançado aqui no blog. A coisa mais divertida no SQL Server é saber, porque ele fez isso ou aquilo? Por que “tal” decisão foi tomada, entender um pouco desse mundo obscuro…rs. Vamos parar de tagarelar e colocar a mão na massa.

Se analisarmos o plano de execução do post print, o SQL Server escolheu utilizar um Clustered Index Seek para ler toda a tabela. Porém, fica a pergunta, Ele não poderia ter escolhido um Clustered Index Scan? Como vou ler tudo, um Scan não é melhor que um Seek? A resposta é: Depende.

Executando duas vezes a mesma query, uma com o HINT WITH(INDEX=0) que força a Não utiliza do Index da tabela e uma sem utilização de hint, para que possamos comparar o antes e depois.

 

Executando a query forçando um Clustered Index Scan Vs um Clustered Index Seek podemos ver que no plano de execução o custo de ambos é  de 50% (Atual e Estimado).

ambosPlano

 

Thiago, que dizer que é a mesma coisa? A resposta é não. Quando se está avaliando performance, o ideal também é utilizar como parâmetro os tempos de execução, para isso sempre uso o Profiler. A quantidade de leitura é muito menor quando utilizamos um Clustered Index Seek, Vejamos o resultado:

EvidenciaProfiler

 

O SQL Server realizou uma quantidade menor de leituras utilizando o Index Seek. Mas, porque?

No Seek temos duas propriedades que não aparecem no Scan que no caso é a “Direção da Leitura”, como pode ser visto utiliza o “FORWARD” e está marcada como “ORDERED” como True.

ClusteredIndexSeek

 

Já o Clustered Index Scan, essas propriedades não são apresentadas. É a única questão que acredito ser o motivo.

ClusteredIndexScan

 

 

Esperam que vocês tenham gostado.

 

  1. May 22, 2013 at 8:22 am

    Show de bola, é ótimo saber que tem alguém que entra no “Mundo Obscuro” do MS SQL Server e consegue nos passar a informação com facilidade. Uma coisa que aprendi com Thiago Alencar é que tudo no SQL Server precisa ser bem analisada, pois existem N variáveis que podem mudar uma resposta que antes parecia ser “obvia”.

    Ótimo post Thiago. Continue assim.

    Abraços Felipe Subtil

  2. Morales
    June 16, 2014 at 3:33 pm

    Eh disso que eu estou falando

  1. May 17, 2013 at 9:17 pm

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: